terça-feira, 4 de junho de 2013

Transcriação


Ereção a cada palavra.
O sêmen na caligrafia,
O desejo que escorre em fila,
Os dedos penetram uma linha.
Jorra e se espalha em cores,
A língua sem dissabores.
A preliminar veloz,
A escolha de um título feroz
Que resuma toda a cópula.
Eis que o processo de criação
Nada mais é que procriação
De uma espécie feita de tinta.
Na safadeza explícita,
Não me julgo prostituta
Pois ofereço-me gratuita
A serviço de um verso.
E nesse coito,
Papel-eu-pena,
Masturbo, com carinho, um poema...
E no ápice, sem aborto,
Gozo, enfim, uma estrofe:
- Engole ou cospe?
E orgulhosa, exibo minha cria:
Um orgasmo em poesia.

7 comentários:

Arianne Barromeü disse...

Laraa, quando comecei a ler, logo me veio um sorriso enorme e senti graça. Não é zombação, mas é que fiquei simplesmente encantada com a sua criatividade e a lindeza desse texto. Entrou na minha lista de favoritos e conseguiu me inspirar. Ain, lindezaaaa!

Você arrasa! Por que não canta ele? Imaginei sua voz cantando e tudo mais, hahaha Maravilhosa! <3

Karlinha Ferreira disse...

Amei!!!!

Nossa amei a forma como vc deixou excitante cada palavra, cada metáfora...
Tive um orgasmo literário!

Beijo

carlos.i disse...

que delícia, excitante mesmo!
a metáfora ficou perfeita
como a Karlinha, tive um orgasmo literário.

Michele Pupo disse...

Lembrei da Clarice Lispector em Felicidade clandestina: "não era mais uma menina com seu livro, era uma mulher com seu amante". Tanto a máxima dela, como seu poema, revelam o arrebatamento pela palavra, o êxtase, a paixão literária!
Lindo!

TiagoQuingosta disse...

Adorei ler de novo. Hey, estou há uma semana tentando criar um poema relacionado à poesia como prostituição da alma.

B. disse...

Muito bacana e diferente, você unir o erotismo à poesia. Bem legal!

Erica Ferro disse...

Safadamente bonito! hahaha

Sacudindo Palavras