domingo, 29 de maio de 2011

Tabuleiro

Poema feito em parceria com Jaciara Ferreira


Vamos brincar de Dama?
Vou transformar nossa cama
Em um tabuleiro
Branco & preto maneiro

Hoje um come ao outro
Hoje é o dia do troco
Tirarei tuas peças
Te pregarei peças

Nesse jogo de sedução
Não importa a posição
Vertical, horizontal
A gente é quem decide afinal

A Dama a gente já fez
Passemos para o Xadrez
Serás o rei e eu, rainha
Assim o passatempo caminha

Peão que monta o cavalo
Torre ereta, provarás o que falo
Agora é hora do último arremate
Meu golpe é então Xeque-mate!

terça-feira, 24 de maio de 2011

Linguagem

Texto construído em parceria com Jaciara Ferreira


- E aí, minha chave?
- Nossa! Que travessão...
- E se você topar pode virar um ponto de exclamação...
- Eu só posso te dar reticências. Ainda há um parênteses entre nós.
- Isso é porque você ainda não experimentou o poder da minha vírgula.
- Eu já tenho um outro acento agudo.
- Mas eu posso torná-lo mais grave...
- Sinto muito, já escolhi o meu hífen.
- Se é pra ficar assim cheia de interrogações, melhor dar um ponto final!
- Então talvez a gente se encontre por aí, em um outro parágrafo.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Soneto Repentino

A Vinicius de Moraes


De repente o adeus fez-se preciso
Triste despedida como a gaivota solitária
E a melancolia fez-se necessária
E do júbilo fez-se o lamentar conciso.

De repente do amor fez-se o sumiço
Que transforma o apaixonado em pária
E da paixão fez-se escuridão extraordinária
E do sorriso sincero fez-se o penar fixo.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de demônio quem se fez angelical
E de desiludido o que se fez crente. 

Fez-se da vida terrena existência banal
Fez-se da dor companheira natural
De repente, não mais que de repente.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Manual


Beijo
Abraço
Toque

Desejo
Amasso
Choque

Arrepio
Gemido
Dor

Frio
Alívio
Calor

Prazer
Mudo
Rapidez

Fazer
Tudo
Outra vez