domingo, 21 de setembro de 2014

Aperte o Play



Pra caber
tudo que eu quero lhe dizer 
talvez fosse preciso um LP: 
lado A e lado B. 
Cada faixa, um apelo 
pra reaver o teu apego 
e ouvir até arranhar 
enquanto se faz a faxina 
ou no juke box de um bar; 
um disco de platina... 
O Faustão iria entregar. 
Talvez nem isso fosse o bastante: 
amor não se limita a uma estante, 
nem se eu gravasse um The Best Of... 
Haveria você em cada estrofe, 
totalizando mais de mil... 
Não serviria nem um daqueles CDs Perfil: 
o que sinto não se resume a nenhum vinil.

domingo, 14 de setembro de 2014

Sobre o pêndulo que caiu no poço.


Todas as suas razões eu já sei de cor.
De estrela, enfim, tornei-me pó
quando o corvo solenemente crocitou
o trágico destino que não vingou.
And at my chamber door,
assim como Poe escutou,
o anúncio inevitável soou:
Nevermore.

A distância
é uma criança
que cresce, às vezes, em menos de um mês.
Um gesto incontido, algo que você nem fez.
Quando se vê, já é muito tarde,
e a despedida se dá sem qualquer alarde.

Um gato preto cruzou o caminho
mas não o responsabilizo por esse azar.
E agora, persisto, andarilho sozinho
já sem esperanças de recomeçar.
Plantei, num jardim, ilusões com carinho
e de uma semente de amor
brotou uma flor...
Do(f)lorida:
Murchou em 5 dias.

Qual foi meu erro?
Um passo para a liberdade:
Conceito tão vago, um ritual, um enterro?
O nunca dura uma eternidade.

(O poema faz referência a três obras de Edgar Allan Poe: os contos “The Black Cat” e “The Pit and the Pendulum” e o poema “The Raven”).