sábado, 10 de dezembro de 2011

Soneto Natalino

Quando o Natal chega sorrateiro,
Todos se sentem tomados de perdão.
Mas ele deveria habitar o coração
Dos homens durante o ano inteiro.
Essa tal misericóridia é, então,
Só um sentimento passageiro?
Seria, portanto, verdadeiro
Esse rompante veloz como paixão?

Fogos, champagne, chester, risadas:
Uma noite completa de hipocrisias.
Depois que cada um volta a suas casas,

Fartos de um banquete de ironias,
O amor ao próximo é jogado às traças
Por mais trezentos e sessenta e quatro dias.