quarta-feira, 21 de abril de 2010

Amanhã

Amanhã verei se tu voltaste
Para alegrar minha vida insana
Para ocupar nossa doce cama
E devolver minha felicidade...



Amanhã tu vais me presentear
Com teu olhar, tua voz e presença
Vais me fazer crer nas tuas crenças
E irás novamente me beijar!



Amanhã vou ficar esperando
Naquele lugar que conhecemos
O encontro que só nós entendemos
Para dizermos que nos amamos!



Amanhã tu vais chamar meu nome
E irei correndo te atender
Desejando só a ti pertencer
Querendo que em teus braços me tomes...



Amanhã vou engolir o ego
Tomar-te de volta, linda menina
Ter outra vez a vida que tinha
E constatar que o amor é cego!

Cárcere


Em um cárcere aprisionada,
Fruto de uma filarmônica fantasia
Na harmonia orquestrada
O som agudo de uma ópera vazia.

Stradivarius desafinado
Com longas cordas desentoadas,
Lânguido olhar deslocado
Ao longo da paisagem apagada...

Tristeza desmotivada,
Através dos tempos esquecida,
Mas ao fim de tudo ressucitada
Percebendo-se a vida;

Assim fico entorpecida
Dentro do ventre, pecado capital,
Cicatrizando minha ferida
A aguardar uma aparição triunfal.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Madrugada

Doce olhar prateado,
Pela lua e estrelas iluminado...
Voz ecoando no frio deserto,
Mãos abanando em um desespero certo.

Lânguidas pálpebras a se cerrar.
Jamais veremos novamente esse olhar...
Lágrimas e mentiras roucas,
Que cada vez mais a hipocrisia rouba.

Brilhantes, longos e negros,
Assim eram teus longos cabelos...
Porém tua doença não cura,
E então se putrefou tua carne pura.

Mas por ti eu chorei,
E em todas as madrugadas velei.
Por ti, rosas eu ofereci,
E finalmente, junto de ti eu parti...

Sacrifício

Pobre capela vazia e abandonada,
Sacrifício ecoando na neve.

Fé descrita na mente insana
Da inocência indolente.

Indulgência angelical
Das virgens da natureza...
Triste fim dos mortais,
Ira nas pirâmides da avareza.

O ébrio e o sóbrio na lucidez,
Feridas e cicatrizes sangrando,
Açoites do presbítero
Abençoando a dama de vestido.

O aviso da união maldita
De laços que jamais se romperão.
O sofrimento de quem ama
A infeliz que se casa nessa manhã.

Um estranho na noite esquecida

Minha memória dissipada
Já não sabe mais quem sou,
Em que avenida do subterrâneo
Minha alma desencontrada
Não se achou.

O grande sol central
Concentrado através dos meus olhos,
Dentro de minha essência,
Parou de brilhar, ilumina mal,
Enquanto sua luz explode meus poros.

Nunca fui nem nunca serei
A pessoa de índole louvável
Que todos esperam encontrar.
Quantas lágrimas chorei
Por afundar num sangue palpável?!

Meu desejo de dizer adeus novamente
E afundar na chamada pelo nome
Do estranho daquela noite esquecida
Será um carma eternamente
Dentro das minhas dúvidas arrebatadoras.

Não queria chorar, derramar lágrimas,
A história de meus pesadelos não vou contar,
Quero me abrigar em meu refúgio,
Amedrontada e pálida
Por você não me amar...

Espelho Partido


Por favor, não te espantes ao ver meu espectro.
Olha-te no espelho e aprecie ele se quebrar,
Se partir em mil pedaços
E te fazer sangrar.

Tu és apenas mais uma na multidão.
Os olhos de quem está ocupado
Não percebem teu desepero.
Saiba que sempre estarás sozinha.

Teu pesadelo é teu retrato.
Por que clamas por estética?
Faça do obscuro teu escudo,
Explore as trevas da vida.

Te vês no espelho e percebes teu carma:
Ele reflete teu rosto pálido,
Teus longos cabelos negros, tristes olhos escuros
E tuas vestes do hospício.

Mas não reflete tua alma destruída pela solidão,
E para te acalmares, riscas palavras perdidas
Na imensidão do papel, que tudo aceita.
Quem és tu, criatura molhada pela chuva noturna?

Que olha para o céu e a água que cai,
Pedindo socorro e proteção que te negam?
Com tais perguntas, teus lábios formam um sorriso maquiavélico.
-Por acaso não estás te reconhecendo?!