Menu

sábado, 18 de junho de 2022

Date


na primeira vez

meu celular descarregou

— acabei pernoitando —

"sabe como é, perigoso pegar Uber a essa hora"

na segunda vez

deixei alguns pertences

"sabe como é, mais prático deixar logo uma escova aqui, pro próximo encontro"

na terceira vez

meu celular se conectou

[automaticamente

na rede doméstica

na quarta vez

abri a geladeira sem permissão

"sabe como é, bateu aquela larica da madruga"

na quinta vez

discutimos para escolher

se o sorvete seria da Jesus de Nazaré 

ou da Santa Clara

"sabe como é, prefiro sabores regionais”

"sabe como é, prefiro gelato"

na sexta vez

quase-sem-querer

sussurrei 

"sabe como é, acho que te amo"

na sétima vez

você trocou o Wi-Fi

"sabe como é, os vizinhos descobriram que a senha é o aniversário da Pandora"

na oitava vez

bem…

não teve uma oitava vez.

sexta-feira, 14 de maio de 2021

Ilê



sem energia

mufina

com o ânimo macambúzio

recomendaram-me uma mãe de santo

e com o espírito confuso

fui ver se ela me benzia

[enquanto jogava búzios

 

— Minha filha, seu pai, Oxalá

o maior dos orixás

deixa uma lição:

tem que cuidar do ori

tem que cuidar de orá

não tema:

só fazer uma obrigação

para Iemanjá

[flores brancas e alfazema

que o mal vai desamarrar

 

saindo do terreiro

instantâneo encanto:

esbarrei com teu aroma de banho de cheiro

[recém-tomado

e com esses olhos-quebranto

que me fariam atravessar o Amazonas a nado

 

eu, até então cética

vazia

& charlatã

de repente,

passei a ter fé em meus guias

caboclos, pretos-velhos, pombas-giras

e em meu coração-xamã

 

padecendo ainda em frangalhos,

te convidei para me acompanhar nos trabalhos

e a partir daí tornei-me crente

desde quando observei esvair-se

com o nascer de uma estrela cadente

o-que-existe-de-ruim

o veneno de Circe

que sugaste de dentro de mim

   

tudo que havia de vil

                                   sumiu

quando de manhã cedo

meu (dantes) infértil ventre

foi preenchido pela semente

deixada pelos teus dedos

ao redor de meu quadril

 

não resta suspicácia

sobre a origem dupla da eficácia

na cicatrização de minhas fraturas

se hoje estou bem melhor

foi graças ao ebó

e aos teus lábios de pitanga

nessa conjuntura

o que importa é a cura

tanto pelas mãos da umbanda

quanto pelas tuas mãos em minha cintura

terça-feira, 29 de setembro de 2020

Deidade


não há nada que eu não saiba
nesta terra de ninguém
tenho opinião sobre tudo
nunca estou certa, porém

Olimpo feito de @
no panteão do Facebook
entre memes e textão
cada um, por si, que lute

na conta cadastrada
acompanho o newsletter
mantenho-me sempre atualizada
mergulhando em informação e éter

na rede da teia de Aracne
sou presa em um login
não há saída off-line
não posso desconectar de mim

sexta-feira, 7 de agosto de 2020

Cruzamento

no outro lado da calçada
vejo a faixa
de pedestre
e pra onde vou?
nesta linha de chegada
o que sou
não se encaixa
extraterrestre
meu afeto não te alcançou

terça-feira, 14 de julho de 2020

Delonga


taciturno
o controle de Saturno
se põe sobre a gente
e eu que sempre fui paciente
percebo a pressa
emergência submersa
que se tatua
na pele
nos olhares
nas mensagens
na urgência de ser tua

nos desencontros do destino
[esse nosso adversário]
esbarrei em ti tantas vezes
e acenei para seguir caminho
em outro itinerário
mas permanecia sempre olhando pra trás
e para o que eu havia deixado
[um amor que nunca se liquefaz]

eis minha sina
mística fase:
os dias que nos separam agora
são esses intervalos do quase
que tecem junto com a aurora
o senão
que é a certeza
do teu sim

não mais tardo:
em breve
chegarás como uma prece
pois eu, que sou filha do Tempo,
te aguardo
como quem espera um milagre