sábado, 9 de março de 2013

NA(MORADA)


I

Ela apareceu no meu quintal
Simplesmente, de vestido florido.
E por mais que não parecesse real
Trazia a primavera inteira em tecido.

Lembro da estampa, mas nem ligo
O que importa é o magnetismo de nossos corações.
Levou minha densa neblina consigo:
Despida ela era, ao mesmo tempo, todas as estações.

Ela se apresentou, graciosa,
Cheirando a um leve aroma de lavanda
E logo se espalhou, ociosa...
Em breve, tomaria conta da minha varanda.

Entrou e deixou flores pela casa.
Sentou no sofá, debruçando-se em meu colo.
Pergunto-me se ela ainda me atrasa
Ou se chego sempre tarde por minha culpa solo.

II

Ela tirou as teias da biblioteca,
Me fez comprar uma cadeira para o escritório.
Dia-a-dia regou o que não mais resseca
E renovou o visual do dormitório.

Quando enfim se infiltrou na cozinha,
Preparou o melhor omelete.
Nas noites, nunca podia me sentir sozinha...
Inclusive, adotamos um pet.

Hoje me dou conta que o lugar é o de menos,
Desde que ela seja minha namorada.
O que me vale é o amor ameno, regado a beijos serenos
E esta mansão não é nada, pois ela é minha morada.

Pus o poema no passado e soou como despedida,
Porque um minuto sem ela é uma eternidade de solidão.
Ela partiu há pouco e eu disse: - Não se demore, querida!
Aguardo seu retorno... Ela foi só comprar pão.

8 comentários:

Amanda Souza disse...

Lindo, lindo! Todos os seus poemas são ótimos, mas por esse eu tive um carinho especial. Romântico e ao mesmo tempo divertido. De uma leveza... a única coisa que posso dizer é que está lindo. Eu gostei demais.
Beijinhos

Hipérboles
@hiperbolismos

TiagoQuingosta disse...

Muito gracioso. Amodorei. Leve, romântico e um pouco dramático no final. Gente, essa namorada é uma revolução na vida de qualquer pessoa.

Raehli Hage disse...

Acho que já lhe disse o quanto achei esse texto incrível, né?
Mas não custa reafirmar a admiração que eu tenho em sua escrita, o quanto eu acho envolvente os seus textos, e o quanto eu mergulho em cada um deles e sinto uma angustia imensa quando tenho que partir *-*


p.s. eu te marquei em um selo literário no meu blog, se você não gostar dessas coisas tudo bem, só ignorar, mas caso se interesse é só dar uma olhada lá.
nidum.blogspot.com

Edilson Cravo disse...

Lara:

Você escreve coisas lindas.

Beijos.

A. Tavares disse...

Que amor bonito ein? *-*

Lívia Almeida disse...

Own, quanto amor. Que ele seja inspiração para muitas outras poesias e letras que crias e divide conosco. ;D

Jaci Rocha disse...

Ha! Que a tua (na) morada seja assim, Lara: fonte para fecundidade poética. Amei!:)

Carlos Marcos Faustino disse...

Linda Linda linda esta poesia, Confesso que fui levado nesta doce fantasia. Parabéns