terça-feira, 3 de agosto de 2010

Relicário


Vejo-te passar preso à corrente,
Mortal e humano sem liberdade.
Tentando encontrar tua identidade,
Devias saber que ela é inerente!

Muitas vezes escondes a verdade,
Sem coesão e incoerente,
Da imitação viraste crente,
Sem lembrar tua personalidade.

Martírio que leva à alienação,
Descubra-te, saia do armário!
Olha através do teu coração,

Caíste no conto do vigário...
Agora que sabes, já posso, então,
Dizer que és único, um relicário!

3 comentários:

Thainá Rodrigues disse...

Ounw
nao sei de onde tiras essas coisas lindas amiga. Dã, ta tua cabeça ne? Não liga, é a tinta loira uahuahahu' saudade amiga! :*

Mensagem Efêmera disse...

kkkkk
Ah Thai, você também escreve superbem, estou com saudades demais TT_TT

ah, e dia 7 a gente se vê lá no Yázigi *-*

Genny LiMo disse...

;)~ Tu eis meu Relicário!



;P~