quarta-feira, 14 de julho de 2010

Monstro


Sinto-me como um monstro terrível:
Magoo as pessoas que amo e admiro.
Em meu cérebro darei um tiro
Pra me livrar dessa culpa horrível!

Vejo que sou podre e indefinível,
Os outros sofrem quando respiro.
Com minhas palavras, a todos firo.
Julgam-me fria e insensível.

Meu coração, lápide de pedra,
Eternamente incompreendido,
Se esvai em dolorida queda...

Não magoarei mais quem é querido,
Maldição de sina, pior que a lepra!
Cansei de arrependimento antigo...

8 comentários:

Paralelos do Cotidiano disse...

Por trás da couraça, há um coração gentil e sensível


Completando importunamente!

:)

Camila K

Mensagem Efêmera disse...

Sua opinião nunca é inoportuna, oras ! :)

Rá. Stèphanie disse...

Concordo com a opinião dela x)

Mensagem Efêmera disse...

hihi, tá, eu sou um coração gentil e sensível, aham Cláudia xD

Que gay rsrs' *-*

Genny LiMo disse...

^^ Me assustei com o título do teu soneto, e vi no texto uma pessoa frágil expressando a sua incapacidade de ser um monstro, realmente não tens o necessário para ser alguém assim.
Contente-se com sua sensibilidade e amabilidade minha amiga.

;***~

Genny LiMo disse...

Ei, arruma ai o link do meu blog, q ainda está errado. o Certo é: http://lucynante.blogspot.com/

Mensagem Efêmera disse...

Uma pessoa frágil ^^
Eu me contento sim, Genny.

Olha, eu consertei o link do seu blog milhõõõões de vezes, mas não sei porque não funciona =O

Genny LiMo disse...

é só vc excluir esse link e colocar de novo. ^^
Pq dv tah escrito errado nos coisos estranhos do programador html. ;x