sábado, 21 de março de 2015

Paradox


Meu olhar carrega um peso triste.
Isso não quer dizer que eu nunca seja feliz.
Às vezes, a Alegria me visita, toma chá e assiste
como dissolvo na xícara meu sachê de anis.
Da mesma forma que chega, ela parte.
Admiro o quadro torto na parede.
Ponho para tocar Love will tear us apart
e, com o volume máximo, deito na rede
ao som de Joy Division.
Acho que escolhi ser assim...
It was a hard decision.
A moldura permanece enviesada:
não a arrumei porque não aprecio a perfeição.
Se todas as coisas fossem impecáveis, seríamos nada:
perderíamos a bênção da evolução.
Dizem por aí que minha aura é azul,
e talvez essa seja a natureza de minh’alma:
that's why I'm always so blue

- e confesso que isso me acalma -:
Os meus olhos caídos
acompanham um semblante
de forçosos sorrisos.
Entretanto, não me considero farsante.
Ponho as contradições na mochila
e esta é minha mais sincera arte:
se por acaso a boca não acompanha a pupila,
it’s because I have a jolly face and a melancholic heart.

Nenhum comentário: