segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Entre o Humano e o Divino


Ciente da minha condição humana,
Não temo, pois não há razão para medo:
Desde muito cedo,
Aprendi a respeitar Deus.
E, sabendo que o amor é divino,
Nutro em mim sentimento infinito
Que, de dentro pra fora, cresce.
Meu peito se expande de leste a oeste
E, por amar com a fé de quem faz uma prece,
Sigo doando abraços que não se medem:
Assim, fico mais perto do céu.

3 comentários:

Luna Sanchez disse...

Sabe quando uma coisa é tão, mas tão grande que pode se permitir ser pequenininha só pra fazer graça e nos encantar ainda mais?

Pois é.

*_*

Um beijo, amorinha [assim, com artigo, pra ser de pertinho].

Lívia Almeida disse...

Uma dádiva ofertada por Deus tem que realmente ser partilhada aos quatro ventos.

B. disse...

Achei interessante sua analogia. A maneira que se expressou me fez ver certas coisas de outra forma. É bom quando um texto, nos "transforma".