domingo, 15 de setembro de 2013

Farsa




Tua caridade ostentada

É autoafirmação

E em cada doação

Há rastros de egocentrismo



Tua bondade pública

É megalomania disfarçada

E em cada boa ação executada

Há migalhas de autoestima



Teu engajamento

É pura hipocrisia velada

E em cada empatia forçada

Há tentativas de compensação



Tudo que eu desejo

É apenas sentir desprezo,

Pois a cada vez que me apercebo

Há somente donativos em formato de placebo.

3 comentários:

B. disse...

Quanto criticismo! Me agradou bastante.

Karlinha Ferreira disse...

Adorei...
Duro, porém poético...

Beijo...
:)

Rodrigo Ferreira disse...

Ótimo poema! Parabéns por mais um maravilhoso escrito, Utzig. Sei que não é inédito, já vi, não sou estúpido (não tão assim).