quarta-feira, 6 de maio de 2015

Dança das Águas


A história de Diana
Durou poucos invernos
E sua alma cigana
Inspirou trovas e versos
Como estes que agora vos canto
Ao sustentar o peso dos anos
E dos danos.

A jovem virgem
Bailava desnuda
Nas noites de luar em vertigem.
Lâmina pontiaguda,
Nas águas como veio ao mundo,
Ritual particular fecundo.


Se havia de sangrar,
Dançava sombria e escarlate:
Nos gélidos lagos um traço carmim a deixar.
Rodopiar com Hécate
Cirandar com Perséfone
Valsar insone.

Diana, acusada de bruxaria:
Dedos taxativos, línguas acusativas,
Alvo dos olhos em piromania:
Amordaçada, queimada viva.
Fogo, chama, labareda
Consumindo o vestido de seda.

Túnica tornara-se cinza;
A morte ceifou a magia;
Órion acolheu a ninfa.
Madrugada fria:
Ainda se vê um rastro vermelho
(Naquele mesmo lugar goteja sangue fresco).

Um comentário:

bianca santos disse...

Danças pelos versos, muito bom!