quinta-feira, 15 de agosto de 2013

TAM-BEM


Se me dizes sentir saudade
E eu correspondo,
Vou me recompondo
Da ansiedade.

Se dizes sentir minha falta
E eu digo ser recíproco, querida,
É porque se o mesmo entra em pauta
Não é também, minha vida.

Se essa dor é de ambas as partes,
O sofrimento não é banal.
Também rima com desdém,
E na sua ausência,
Se você não vem...
Não há encontro, então...
Tá mal.
Não tá bem,
Logo, não há tam-bem: só tam-mal.

Um comentário:

Mony Gabriely disse...

Gostei do poema :))

blogportrasdaspalavras.blogspot.com.br